quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Marcha Vale realiza 3ª Expo Especializada em Guaratinguetá

Foto: Hyanne Patricia

De 22 a 25 de agosto, o Recinto de Exposições de Guaratinguetá recebeu a 3ª Expo Especializada, realizada pelo Núcleo Marcha Vale. A disputa reuniu 120 animais para julgamentos de Marcha Batida, Marcha Picada e Morfologia.

“Nossa exposição já tem renome na região, então temos conseguido atrair melhores criadores e isso é muito importante para nossa cidade, tanto em termos de recepção quanto em nível dos animais que são trazidos para a disputa”, destacou Nello Zampieri, do Núcleo Marcha Vale.

Confira algumas fotos:






segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Entidades promovem treinamentos gratuitos


Profissionais e produtores rurais da região participaram, em agosto, de capacitações com foco nas técnicas de operação e utilização de máquinas agrícolas. Os treinamentos tiveram o objetivo de melhorar a eficiência das propriedades e trataram o uso, regulagem e manutenção de pulverizadores e semeadoras agrícolas.

A iniciativa contou com apoio da CATI, Secretaria de Agricultura de Guaratinguetá, Associação Agropecuária e Sindicato Rural de Guaratinguetá, COOPAVALPA, Cooperativa de Laticínios Serramar, Valtra Shark Tratores e New Holland Igarapé.



“Procurei fazer o curso para melhor me capacitar e não cometer erros no campo. A capacitação foi excelente, pois os profissionais são os melhores e se propuseram a ensinar com todo seu conhecimento, então acrescentou em muito mais conhecimento para que eu possa obter melhores resultados no campo”. 
– Murilo Sousa Gadioli, 31 anos, produtor de arroz, milho e soja em Roseira, na Fazenda Santa Helena.
“Participei com meu colaborador Gabriel Augusto Fialho dos dois treinamentos e foi muito importante. Hoje em dia podemos observar o crescente aumento da mecanização nas propriedades e na maioria das vezes as empresas de implementos não fazem uma entrega técnica muito detalhada, então os treinamentos nos possibilitaram um conhecimento detalhado dos equipamentos, os técnicos foram didáticos e não ficamos só olhando, colocamos a mão na massa”.
– Flávio Augusto Rangel, 33 anos, engenheiro agrônomo e produtor de leite em Potim, no Sítio Flor do Campo.

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

ITR: prazo segue até 28 de setembro


Proprietários de imóveis rurais de todo o Brasil terão até o dia 28 de setembro para apresentar a declaração do ITR (Imposto Territorial Rural) pelo Programa ITR 2018, disponível pelo Receitanet no link http://idg.receita.fazenda.gov.br/programas-para-download/receitanet/receitanet. 

O valor do ITR pode ser pago em até quatro parcelas iguais mensais, sendo que nenhuma parcela pode ser inferior a R$50. O imposto de valor inferior a R$100, deve ser pago em quota única. 

A declaração após o prazo está sujeita a multa de 1% por mês de atraso, calculada sobre o total do imposto devido. Para requisitar o auxílio no preenchimento do ITR, bastar o associado agendar o atendimento pelo telefone (12) 3132-4400.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Vem aí o XX Torneio Leiteiro "Chico do Lau"

Família campeã toma tradicional banho de leite após torneio em 2017. Foto: Hyanne Patricia

Com participação e disputa entre diversos produtores da região, Cunha recebe, de 27 a 29 de setembro, o 20º Torneio Leiteiro “Chico do Lau”, no Recinto de Exposições do bairro do Facão, na Av. Daher Pedro. 

Além de apresentar a qualidade e a força da pecuária leiteira regional, o torneio também contará com praça de alimentação, shopping de animais e máquinas agrícolas, além da 2ª edição do Marcha Vale, competição que contará com a presença de tradicionais criadores da raça Mangalarga Marchador do Vale do Paraíba.

O torneio é uma realização da Cooperativa de Laticínios Serramar, com apoio da Associação Agropecuária de Guaratinguetá e Prefeitura Municipal de Cunha.

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Retomada do atendimento odontológico

Dentista Amanda Silveira, responsável pelo atendimento em Cunha e Lagoinha

A Associação Agropecuária comunica a retomada do Serviço Odontológico para os associados. A partir de agora, o atendimento acontece em Guaratinguetá, Cunha e Lagoinha. Ligue (12) 3132-4400 e consulte horários e regras para agendamento.

Sindicato realiza palestra gratuita sobre manejo de pasto


No próximo dia 18 de setembro, o Sindicato Rural de Guaratinguetá recebe o engenheiro agrônomo Dr. Wagner Beskow, para a palestra "Sistema Intensivo a pasto com Suplementação". O encontro é gratuito e tem início às 9h30. 

Wagner Beskow é engenheiro agrônomo pela UFPEL, com mestrado e doutorado (PhD) em manejo de sistemas pastoris pela Massey University, na Nova Zelândia. Atualmente é pesquisador, consultor e sócio-administrador da Traspondo e criador do SIPS (Sistema Intensivo a Pasto com Suplementação), que vem sendo usado com sucesso em todo Brasil.

O encontro é uma realização do Sindicato Rural de Guaratinguetá, São José do Barreiro e Pindamonhangaba, Senar, Faesp, SSIRVAP e Cati (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral).

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Associados contarão com novo plano de saúde

Foto: Divulgação

A partir de hoje, 10 de setembro, os associados do Sindicato Rural e da Associação Agropecuária de Guaratinguetá passarão a contar com o novo plano de saúde “Plano S.P.A. Saúde Regional”, que vai atender os produtores rurais da região e seus familiares, com uma rede formada por profissionais, hospitais, clínicas e laboratórios das cidades de Guaratinguetá, Taubaté, Pindamonhangaba, Lorena e Cruzeiro. 

Para o superintendente do S.P.A. Saúde, Ricardo de Oliveira Garcia, o objetivo é "atender uma necessidade dos produtores rurais da região com um recurso de qualidade a preços acessíveis”. 

Rede de médicos e hospitais em cinco cidades da região
O Plano Regional vai oferecer assistência médica, hospitalar e cirúrgica com obstetrícia, Maternidade, Serviços auxiliares de Diagnose e Terapia, Nutrição, Fonoaudiologia, Psicologia, Remoção Terrestre Inter hospitalar, descontos em medicamentos e Serviço de Assistência ao Beneficiário, conforme previsto no rol ANS em cinco cidades da nossa região: Taubaté, Pindamonhangaba, Guaratinguetá, Lorena e Cruzeiro. A acomodação, em caso de internação hospitalar, é em apartamento.

Quem pode participar
As inscrições começam hoje para os associados que podem levar o benefício para esposa (o) ou companheira (o), filhos naturais ou adotivos, enteados, menor sob guarda, pai, mãe, avós, bisavós, irmãos, netos, bisnetos, sobrinhos, tios, dependente incapaz que o titular seja tutor ou curador, cunhados, genros, noras e outros familiares. 

Os interessados podem fazer suas inscrições na sede da Associação Agropecuária de Guaratinguetá. Mais informações pelo telefone (12) 3132-4400.

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Produção de mel oferece oportunidade de renda extra

Aula prática durante segundo módulo do Programa de Apicultura do Senar. Foto: Hyanne Patricia

Texto: Hyanne Patricia

Há três anos investindo na produção de mel, própolis e cera como renda extra, o operador de telecomunicações e apicultor iniciante José Roberto, de 38 anos, busca ampliar o negócio. Beto, como é chamado, é participante do Programa de Apicultura oferecido gratuitamente pelo convênio Faesp/Senar em Guaratinguetá ao longo deste semestre.

Com 38 caixas e uma produção de cerca de 800kg de mel em um ano de boa colheita, na Fazenda Santa Rita, no bairro da Jararaca, o apicultor possui consumidores certos, mas buscou a capacitação para melhorar a técnica e, consequentemente, aumentar a produção e renda. “Com técnica a gente ajuda mais as abelhas e automaticamente elas vão produzir mais”, explica.

Apicultor José Roberto durante capacitação do Senar. Foto: arquivo pessoal

Com a certificação após o curso, José Roberto conta que pretende oferecer novos produtos e tornar a atividade sua única renda. “Espero conseguir aproveitar mais a produção e penso em trabalhar com novos produtos também, como o pólen, tem também a geleia real, tudo com estudos do que é mais viável”, diz.

Capacitação
O Programa de Apicultura, que entra em seu terceiro módulo este mês de setembro, tem o objetivo de promover um alicerce para o produtor que deseja iniciar na apicultura como fonte de renda, capacitando os participantes desde a implantação do apiário até a gestão do negócio. 

“Os cursos tinham duração de cinco dias e a partir de 2008 modificamos o conteúdo programático e criamos o programa. De lá para cá, nesses 10 anos, já temos bastante gente trabalhando com apicultura, grupos formados, entidades voltadas ao fortalecimento da área, desenvolvendo cada vez mais a apicultura na região do Vale do Paraíba”, explica o agrônomo, apicultor e instrutor do Senar, Bernardino Machado de Carvalho Junior.

Foto: Hyanne Patricia

Com 26 anos de experiência na área, o instrutor observa que o mercado tem crescido e que a região tem potencial para se desenvolver ainda mais no setor. “O que sempre se exigia era capacitação dos apicultores e capacidade de processamento e distribuição, então a quantidade de gente produzindo aumentou, a busca por produtos naturais tem sido cada vez maior e busca-se essa produção com muita qualidade, principalmente na região da Serra da Mantiqueira, que confere um mel de qualidade inigualável em relação a sabor, cor e aroma”, destaca.

Neste cenário, Bernardino é otimista em relação ao futuro da apicultura. “A gente vislumbra uma elevação de produtividade, não de quantidade de colmeias, e sim de produtividade por cada colmeia, saltar de 20 para 30 ou 40 kg por colmeia. Visualizo uma demanda muito grande, como já acontece nas prefeituras com o mel em sachê, mesmo o produto não sendo oferecido em todas as merendas, alta produtividade para os apicultores, alta capacidade de produção e consequentemente elevação de renda”, opina.

Foto: Hyanne Patricia

Inovação
Aos 56 anos, o professor de TI da Unesp, Ricardo Wurthmann Saad, aposta na apicultura como uma alternativa lucrativa para se dedicar após a aposentadoria, prevista para o ano que vem. Com alguns equipamentos e caixas já em uso, o professor espera iniciar a produção após a conclusão do programa. 

Ricardo durante aula prática. Foto: Hyanne Patricia

“Há alguns anos comecei a ler sobre apicultura, comprei umas caixas e alguns materiais e comecei a fuçar por conta própria. Cheguei a um ponto em que quis saber mais e procurei apicultores da região, que me indicaram o curso do Senar e a ideia, desde então, é me dedicar mais a isso”, conta.

Diferente da maioria dos apicultores que se dedicam a produção de produtos apícolas mais tradicionais, como o mel e própolis, Ricardo diz que pretende trabalhar com extração de veneno de abelha, atividade que exige equipamentos e uso de tecnologia. “O veneno de abelha é usado em cosméticos porque ele tem potencial de rejuvenescer a pele. Ele entra na composição de alguns produtos de beleza e é um produto altamente rentável, sai por volta de 40 dólares a grama”, finaliza.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Novo elevador da Associação já está em funcionamento

Associado testa novo elevador. Foto: Hyanne Patricia

Após um processo de aquisição e instalação que durou 5 meses, começou a operar em agosto o novo elevador da sede central da Associação Agropecuária, em Guaratinguetá.

Mais moderno, confortável e seguro, o novo equipamento foi adquirido para substituir o antigo sistema, que se tornou obsoleto e não era mais atendido pelas empresas de manutenção e reposição de peças. 

“O novo elevador é moderno e atende todas as normas de segurança e acessibilidade que o antigo não atendia. Agora os associados já podem contar com total conforto e praticidade quando forem ao escritório para receber atendimentos”, comemorou Thiago Chaves, presidente da Associação.

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Produtores devem devolver embalagens

Produtor devolve embalagens durante Operação Campo Limpo em 2017 

A Associação Agropecuária e a Cooperativa de Laticínios Serramar realizam, durante os meses de setembro e outubro, a “Operação Campo Limpo” nas cidades de Bananal, São José do Barreiro, Lorena, Cunha, Lagoinha e Guaratinguetá, com a coleta das embalagens vazias de defensivos agrícolas.

Dando início às ações, a primeira coleta será no dia 17 de setembro, em São José do Barreiro, das 8h30 às 11h30, no Ginásio Municipal, e em Bananal, das 13h30 às 16h, no galpão do Sindicato Rural. 

Em seguida, no dia 18 de setembro, em Lorena, das 9h às 16h, no recinto do Sindicato Rural, e em Cunha, no dia 27 de setembro, das 9h às 16h, no Recinto de Exposições "Chico do Lau".

Em outubro, as ações têm início no dia 16, em Lagoinha, no Recinto de Exposições da cidade. Em Guaratinguetá, a coleta será no dia 17 de outubro, das 9h às 16h, na sede da Secretaria de Agricultura.

Para efetuar a entrega, é preciso apresentar CNPJ, Inscrição Estadual, nome completo e endereço da propriedade. Além disso, as embalagens devem estar vazias, perfuradas e, no caso de produtos líquidos, passar pela tríplice lavagem. As ações têm o apoio das prefeituras de Cunha, Guaratinguetá e Lagoinha. 

Mais informações pelos telefones (12) 3132-4400 e (12) 3128-5540. 

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Mundo deve produzir menos grãos, prevê IGC

O consumo total de grãos está previsto em 2,128 bilhões de toneladas

Foto: Divulgação

O IGC (Conselho Internacional de Grãos, na sigla em ingês) reduziu sua previsão de produção total de grãos na temporada 2018-19 para 2,059 bilhões de toneladas, ante 2,077 bilhões de toneladas no início de julho. A previsão também ficou abaixo dos 2,091 bilhões de toneladas previstos para a temporada 2017-18.

O consumo total de grãos está previsto em 2,128 bilhões de toneladas, abaixo dos 2,131 bilhões de toneladas no início de julho e em comparação com 2,109 bilhões de toneladas em 2017-18. A previsão para estoques totais de passagem de grãos foi reduzida para 532 milhões de toneladas, de 544 milhões de toneladas no mês anterior e de 601 milhões de toneladas em 2017-18.

“Downgrades significativos para trigo e cevada na UE e na CEI estão em grande parte por trás de um corte de 18 milhões de toneladas (mês a mês) na previsão da produção mundial de grãos (trigo e grãos) em 2018-19, para uma baixa de três anos de 2,059 bilhões. Além disso, com resultados decepcionantes sendo relatados a partir da colheita em curso, há o potencial para mais cortes de produção em futuros Relatórios de Mercado de Grãos”, observou o IGC em seu relatório de 26 de julho.

“Um cenário de incertezas sobre as implicações das disputas comerciais globais foi novamente um importante fator de mercado, contribuindo para a fraqueza dos preços. No entanto, com o foco mais recentemente voltando aos fundamentos de oferta e demanda, incluindo a piora das perspectivas de safra em alguns produtores-chave do hemisfério norte, o índice consequentemente se fortaleceu”, conclui o IGC.

Fonte: Agrolink

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 3,4% em 2018, prevê Cepea

Crescimento deverá ser menor que o apontado no ano passado, quando o PIB do agronegócio saltou 7,6%

Foto: Seagro/Divulgação

O PIB do agronegócio, que responde por pouco mais de 20% da atividade econômica do Brasil, deverá crescer 3,4% em 2018, impulsionado por uma retomada da atividade da agroindústria, estimou em julho o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

O crescimento deverá ser menor que o apontado no ano passado, quando o PIB do agronegócio saltou 7,6% com a força do setor primário turbinado por uma safra recorde de vários produtos, como soja e milho.

Mas, ainda assim, a estimativa para este ano indica que o PIB do agronegócio ficará acima do que deve crescer a economia brasileira como um todo (1,5%, segundo a última pesquisa Focus, do Banco Central), em meio aos efeitos de uma greve histórica de caminhoneiros, em maio.

Crescimento maior
O resultado do setor primário do agronegócio em 2018 deve limitar um crescimento maior do PIB do setor, apesar de uma safra recorde de soja já colhida – a oleaginosa é o principal produto do segmento no país. Isso porque o Brasil deverá colher menos milho, laranja e cana este ano, por exemplo.

"São dois anos seguidos de alta bem importante. Ainda é uma taxa bem alta, até se a gente comparar com o PIB geral do Brasil", disse à Reuters a pesquisadora da equipe de macroeconomia do Cepea Nicole Rennó.

A pesquisa, realizada em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), mostrou ainda que a agroindústria continua se recuperando, com aumento de volumes, o que "estimula demanda por serviços, transporte e serviços financeiros", disse a pesquisadora.

A agroindústria sofreu no início do ano passado, especialmente aquela que depende mais do mercado interno, para iniciar uma recuperação posteriormente.

A previsão, realizada com base em dados do primeiro quadrimestre do ano, não leva em conta impactos da greve dos caminhoneiros realizada em maio, quando o transporte foi praticamente paralisado em boa parte do mês, afetando fortemente o setor.

Mesmo a tabela do frete rodoviário mínimo, instituída após a greve, é outro fator que pode liminar o agronegócio, que responde por mais de 40% de tudo que é transportado por rodovias.

"A gente imagina que isso vai ter um impacto no PIB que sentiremos mais para frente", disse a pesquisadora.

A expectativa, por ora, é de que o PIB do agronegócio estimado pelo Cepea, que inclui o setor primário e de indústrias antes (insumos) e depois da porteira, represente 21,2% da economia do Brasil.

Fonte: G1

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Reforma trabalhista: Os impactos das mudanças da lei para o empregador rural

Foto: Hyanne Patricia

No dia 12 de julho, a Associação Agropecuária e o Sindicato Rural de Guaratinguetá receberam o advogado e professor do Unisal Lorena, Dr. José Alberto Barbosa Junior, para a palestra "Reforma Trabalhista - impactos para o empregador rural". O encontro gratuito teve como objetivo atualizar os trabalhadores e produtores rurais sobre as mudanças nas leis trabalhistas e a implantação do sistema eSocial. 

A reforma, realizada em 2017, trouxe 117 mudanças que impactaram significativamente os empregadores. “Especificamente para o segmento rural, existem diversas mudanças que o empregador rural precisa adotar a partir de agora para começar a se prevenir de futuras ações trabalhistas, com alterações relacionadas a contratação, registro e horas extras dos empregados”, explicou Dr. José Alberto Barbosa.

Outro ponto tratado na palestra foi o sistema eSocial e suas exigências que, segundo o professor, devem ser seguidas corretamente para evitar problemas no negócio. “Nessa plataforma digital que o Governo Federal criou e que vai entrar em vigor a partir de janeiro de 2019, o produtor rural precisará passar todas as informações para o sistema, como número de empregados, nome, horário de entrada e saída, atestados médicos. Se ele não registra isso, começa a gerar multa e prejuízos no dia a dia do negócio”, destacou.

Para o advogado, é importante o empregador rural se adaptar à reforma trabalhista pois as mudanças são positivas e podem trazer economia na contratação de novos funcionários. “A reforma trouxe muito benefício para o empregador rural, pois essas novas normas trazem novas formas de contratação mais flexíveis. Se o empregador rural se atentar a essas mudanças, ele pode ter uma economia na contratação dos seus funcionários, porque ele pode administrar de um jeito diferente, ele pode começar a gerir seu negócio através de seus funcionários de uma forma mais econômica”, finalizou.

Confira a apresentação completa disponibilizada pelo Dr. José Alberto Barbosa neste link: http://blog.assopec.com.br/2018/07/na-ultima-quinta-feira-1207-associacao.html