sexta-feira, 29 de abril de 2016

Campanha Nacional de Vacinação Contra a Febre Aftosa


O Ministério da Agricultura dará início neste domingo, dia 1º maio, a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Febre Aftosa no estado de São Paulo. Nessa primeira fase, que segue até o dia 31, devem ser imunizados os bovinos e bubalinos de zero a 24 meses de idade.

A Coordenadoria de Defesa Agropecuária de Guaratinguetá, que responde por 17 municípios, estima que aproximadamente 110 mil animais devam ser imunizados, em 3.946 propriedades rurais na sub-região.

Após o prazo o criador tem até o dia 7 de junho para comunicar a vacinação ao órgão ou fazer o registro por meio do sistema informatizado Gedave. Quem não aplicar o medicamento ou comunicar o procedimento pode pagar multa que varia de R$ 70 a R$ 117 por animal.

Há 20 anos o Estado não registra casos da doença e a meta é continuar com o rebanho imunizado para evitar os prejuízos, com as restrições comerciais. “A pecuária é um importante segmento do agronegócio regional e manter a febre aftosa longe é fundamental para a segurança desse negócio”, alertou Thiago Chaves, presidente da Associação Agropecuária de Guaratinguetá.

A febre aftosa é causada por um vírus que não tem cura e provoca o surgimento de feridas na boca, que dificultam a alimentação do animal e provocam a perda de peso. No caso das vacas leiteiras, ocorre a redução na produção de leite. Os sintomas também incluem salivação em excesso, isolamento e dificuldade em se movimentar. Todos os animais que são infectados são sacrificados e enterrados.

Brucelose
A Coordenadoria de Defesa Agropecuária informa também que durante o mês de maio inicia o período para que os criadores de bovinos e bubalinos apresentem o comprovante de vacinação contra a brucelose, nas fêmeas com faixa etária entre 3 e 8 meses. O prazo para o registro também é sete de junho.

Em São Paulo a imunização contra a doença é obrigatória desde 2002. A Bucelose é uma zoonose (doença que acomete homens e animais) infecto-contagiosa causada pela bactéria Brucella abortus.

Nos bovinos pode causar abortamento; nascimento de bezerros fracos; retenção de placenta; repetição de cio e descargas uterinas com grande eliminação da bactéria, além de inflamação nos testículos.

Serviço
A Associação Agropecuária e do Sindicato Rural de Guaratinguetá realizam o preenchimento do controle de animais vacinados para seus associados durante o período da Campanha. Basta procurar um dos escritórios e requisitar o atendimento. Mais informações pelo telefone (12) 3132-4400.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário