sábado, 15 de outubro de 2016

ALMOÇO DE CONFRATERNIZAÇÃO - DIA DO AGRÔNOMO

Prezado (a) amigo (a):

É com imensa satisfação e orgulho de sermos agrônomos, que convidamos para nosso tradicional ALMOÇO DE CONFRATERNIZAÇÃO, para comemorar o aniversário de nossa profissão DIA DO AGRÔNOMO.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Campanha nacional de vacinação contra febre aftosa e brucelose

A segunda fase da campanha nacional de vacinação contra febre aftosa e brucelose começa no próximo dia 1º de novembro, em São Paulo. Até o dia 30 do mês, os produtores rurais que possuem bovinos e bubalinos deverão imunizar o rebanho e depois fazer a comunicação sobre a aplicação para da Defesa Agropecuária até o dia 7 de dezembro por meio da apresentação das notas fiscais das vacinas.

Quem não vacinar o rebanho poderá arcar com multas de R$ 117,75, por animal, e de $ 70.75 no caso de não apresentar a documentação necessária de  comprovação da vacina. Fora isso, vários problemas podem ser gerados, como barreiras na comercialização do gado de corte e também do leite no caso de vacas.


Nesta fase da campanha, todo o rebanho deverá ser imunizado, o que representa quase 315 mil animais, em cerca de cinco mil propriedades, nos 18 municípios abrangidos pela Defesa Agropecuária de Guaratinguetá.

Há 19 anos o Estado de São Paulo não registra caso de febre aftosa e a meta é deixar a doença longe, evitando os prejuízos. A febre é causada por um vírus que não tem cura. Todos os animais infectados têm que ser sacrificados e enterrados na propriedade. No caso da brucelose, a vacinação deve ser feita para as vacas com três a oito meses e assegura a qualidade do leite comercializado na região.

SERVIÇO:
A Associação Agropecuária e o Sindicato Rural de Guaratinguetá realizam o prennchimento do controle de animais vacinados para seus associados durante o período da campanha.

Para solicitar o serviço, basta procurar um dos nossos escritórios e agendar o atendimento.


Campanha nacional de vacinação contra febre aftosa e brucelose

A segunda fase da campanha nacional de vacinação contra febre aftosa e brucelose começa no próximo dia 1º de novembro, em São Paulo. Até o dia 30 do mês, os produtores rurais que possuem bovinos e bubalinos deverão imunizar o rebanho e depois fazer a comunicação sobre a aplicação para da Defesa Agropecuária até o dia 7 de dezembro por meio da apresentação das notas fiscais das vacinas.

Quem não vacinar o rebanho poderá arcar com multas de R$ 117,75, por animal, e de $ 70.75 no caso de não apresentar a documentação necessária de  comprovação da vacina. Fora isso, vários problemas podem ser gerados, como barreiras na comercialização do gado de corte e também do leite no caso de vacas.


Nesta fase da campanha, todo o rebanho deverá ser imunizado, o que representa quase 315 mil animais, em cerca de cinco mil propriedades, nos 18 municípios abrangidos pela Defesa Agropecuária de Guaratinguetá.

Há 19 anos o Estado de São Paulo não registra caso de febre aftosa e a meta é deixar a doença longe, evitando os prejuízos. A febre é causada por um vírus que não tem cura. Todos os animais infectados têm que ser sacrificados e enterrados na propriedade. No caso da brucelose, a vacinação deve ser feita para as vacas com três a oito meses e assegura a qualidade do leite comercializado na região.

SERVIÇO:
A Associação Agropecuária e o Sindicato Rural de Guaratinguetá realizam o prennchimento do controle de animais vacinados para seus associados durante o período da campanha.

Para solicitar o serviço, basta procurar um dos nossos escritórios e agendar o atendimento.


Guará faz coleta de embalagens de defensivos agrícolas

A Associação Agropecuária de Guaratinguetá e a Cooperativa de Laticínios Serramar, em parceria com o InPEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), realizam no próximo dia 20 de outubro, na sede da Secretaria da Agricultura da c idade a Operação Campo Limpo, que vai coletar as embalagens usadas de defensivos agrícolas.

A ação faz parte da operação Campo Limpo, que neste ano já aconteceu nas cidades de Cunha, Lorena e Lagoinha, onde foram coletados mais de 1.000 unidades, totalizando aproximadamente 300 Kg.


"Ter essa ação aqui perto da gente facilita muito , pois temos muitos compromissos diariamente com a propriedade e é difícil pra gente levar os produtos no posto de entrega em Taubaté" elogiou a produtora rural Ellen Marina, da Fazenda Boa Esperança, em Lorena.



A legislação ambiental exige que todas as embalagens de defensivos agrícolas sejam encaminhadas para pontos de coletas autorizados, dentro do prazo de um ano após a compra do produto, para evitar riscos de contaminação com o ambiente. O descumprimento da regra implica em sanções e multa.

De acordo com o engenheiro agrônomo e produtor rural, João Paulo Varella, houve uma melhora na
conscientização nos últimos anos, mas é preciso que haja mais avanços para evitar contaminação na propriedades.

" O principal risco é a reutilização da embalagem no transporte de água e leite, levando os produtos químicos ao organismo humano. O que é risco hoje foi uma realidade no passado. A iniciativa da coleta é muito boa e está sendo útil para todos. Tem que continuar, com a participação dos produtores," disse Varella.
(Produtores entregam embalagens em Lorena)

Para efetuar a entrega, é preciso apresentar CNPJ, Inscrição Estadual, nome completo e endereço da propriedade. Além disso, as embalagens devem estar vazias, perfuradas e no caso de produtos líquidos, passa pela tríplice lavagem.

"Esse processo é importante, pois garante que nenhum resíduo de produto permaneça no findo das embalagens, o que impossibilita o reaproveitamento do material posteriormente", explicou Thiago Chaves, presidente da Associação Agropecuária.

A Secretaria da Agricultura de Guaratinguetá fica na Rua Alberto Barbeta 1400, no bairro Jd. Coelho neto. A coleta acontece das 8h às 16h.


Associação Agropecuária e Sindicato Rural Marcam presença na Festa da Banana

Barracas típicas, cavalgada, passeio ciclístico, missa campal e o tradicional concurso do maior produtor do bairro, marcaram a realização de mais um Festival da Banana, realizado em setembro no bairro nos Pilões em Guaratinguetá.


O evento teve apoio da Associação Agropecuária e do Sindicato rural.

Mais uma vez, o campeão no quesito variedade foi o produtor Geraldo Teixeira Guimarães, mais conhecido com Geraldinho.




Já na avaliação do maior cacho, levou o prêmio o produtor Plínio da Silva Leite, que desbancou os demais concorrentes tanto para a banana nanica quanto na prata.


"Os produtores têm a chance de venderem seus produtos e ainda mostrar para os demais moradores da cidade o que é plantado no bairro e os pratos feitos a base de fruta. O apoio é fundamental para a realização da festa, como da Associação e do Sindicato", disse a presidente da Associação dos moradores dos Pilões, Célia Regina Marques.


Guará sedia a 1ª Exposição Especializada de cavalos Mangalarga

Apaixonados pelos cavalos da raça Mangalarga poderão conferir a 1ª Exposição Especializada de Guaratinguetá, que acontecerá do dia 27 à 30 de outubro, no Recinto de Exposições da cidade.

Na competição, organizada pelo Núcleo Marcha Vale, com o Apoio da Associação Agropecuária, Sindicato Rural, Cooperativa Serramar e Prefeitura, serão avaliadas a morfologia dos animais, marcha e todo o conjunto durante a apresentação, sendo os cavaleiros também avaliados pelos árbitros.


Vale ressaltar que o Mangalarga é a raça nacional de acordo com projeto de lei sancionada em 2014, além de conquistar o público por conta da docilidade, resistência e regularidade dos cavalos.

Um evento imperdível para toda a família!


segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Uma história que continua viva na memória de seu Toniquinho

Em comemoração aos 80 anos da Associação Agropecuária e 50 anos do Sindicato Rural, a partir deste mês vamos publicar homenagens aos associados mais antigos que fizeram e continuam fazendo parte desta trajetória.



E para começar essa série de matéria, vamos conhecer um pouco da história de Antônio Coelho Guimarães, o seu Toniquinho, de 94 anos, um dos ex-presidentes da associação.

Aos 14 anos de idade, Antônio Coelho Guimarães já se dedicava junto com a família ao trabalho no campo, com a criação de gado para corte e produção de leite.

Foi nessa época que viu o surgimento da Associação Agropecuária de Guaratinguetá, em 1936.

Com o passar dos anos, acabou se envolvendo com a entidade, recém criada e que também amadurecia junto as lutas e reivindicações  políticas da categoria rural da região. Uma relação acabou se estreitando com o passar dos anos e levou a assumir a presidência da Associação Agropecuária em dois mandatos consecutivos: de janeiro de 1974 a março de 1980.

Durante esse período, lutou por melhorias no preço do leite e participou de momentos áureos para a categoria, como a criação do Sindicato Rural, em 1966. Também foi idealizador das duas exposições nacionais do gado holandês sediadas em Guará.

Aos 94 anos, seu Tniquinho faz questão de destacar a grande contribuição deixada pelo amigo e orientador, o também dirigente João Rodrigues Alckimin. "Uma coisa que não tenho medo de errar é que eu segui um líder, o jornalista e professor João Rodrigues Alckimin. Ele foi um exemplo para o Brasil e admirável por grandes autoridades. Ele foi um exemplo que me inspirou", agradeceu.

Com participação preponderante na construção do atual prédio das entidades intitulado Juca Vieira, seu Toniquinho chegou a doar bezerras, além de realizar vários leilôes em prol da obra.

Neste momento histórico, o associado mais antigo em vida deixa uma homenagem que faz jus a todos que vivenciam diariamente a rotina das entidades.

"Desejo que as entidades continuem fazendo o seu papel de defesa da classe, trabalhando em harmonia com a Cooperativa de Laticínios de Guaratinguetá para influir no progresso e evolução da classe rural", disse seu toniquinho.