quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Mundo deve produzir menos grãos, prevê IGC

O consumo total de grãos está previsto em 2,128 bilhões de toneladas

Foto: Divulgação

O IGC (Conselho Internacional de Grãos, na sigla em ingês) reduziu sua previsão de produção total de grãos na temporada 2018-19 para 2,059 bilhões de toneladas, ante 2,077 bilhões de toneladas no início de julho. A previsão também ficou abaixo dos 2,091 bilhões de toneladas previstos para a temporada 2017-18.

O consumo total de grãos está previsto em 2,128 bilhões de toneladas, abaixo dos 2,131 bilhões de toneladas no início de julho e em comparação com 2,109 bilhões de toneladas em 2017-18. A previsão para estoques totais de passagem de grãos foi reduzida para 532 milhões de toneladas, de 544 milhões de toneladas no mês anterior e de 601 milhões de toneladas em 2017-18.

“Downgrades significativos para trigo e cevada na UE e na CEI estão em grande parte por trás de um corte de 18 milhões de toneladas (mês a mês) na previsão da produção mundial de grãos (trigo e grãos) em 2018-19, para uma baixa de três anos de 2,059 bilhões. Além disso, com resultados decepcionantes sendo relatados a partir da colheita em curso, há o potencial para mais cortes de produção em futuros Relatórios de Mercado de Grãos”, observou o IGC em seu relatório de 26 de julho.

“Um cenário de incertezas sobre as implicações das disputas comerciais globais foi novamente um importante fator de mercado, contribuindo para a fraqueza dos preços. No entanto, com o foco mais recentemente voltando aos fundamentos de oferta e demanda, incluindo a piora das perspectivas de safra em alguns produtores-chave do hemisfério norte, o índice consequentemente se fortaleceu”, conclui o IGC.

Fonte: Agrolink

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

PIB do agronegócio do Brasil deve crescer 3,4% em 2018, prevê Cepea

Crescimento deverá ser menor que o apontado no ano passado, quando o PIB do agronegócio saltou 7,6%

Foto: Seagro/Divulgação

O PIB do agronegócio, que responde por pouco mais de 20% da atividade econômica do Brasil, deverá crescer 3,4% em 2018, impulsionado por uma retomada da atividade da agroindústria, estimou em julho o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

O crescimento deverá ser menor que o apontado no ano passado, quando o PIB do agronegócio saltou 7,6% com a força do setor primário turbinado por uma safra recorde de vários produtos, como soja e milho.

Mas, ainda assim, a estimativa para este ano indica que o PIB do agronegócio ficará acima do que deve crescer a economia brasileira como um todo (1,5%, segundo a última pesquisa Focus, do Banco Central), em meio aos efeitos de uma greve histórica de caminhoneiros, em maio.

Crescimento maior
O resultado do setor primário do agronegócio em 2018 deve limitar um crescimento maior do PIB do setor, apesar de uma safra recorde de soja já colhida – a oleaginosa é o principal produto do segmento no país. Isso porque o Brasil deverá colher menos milho, laranja e cana este ano, por exemplo.

"São dois anos seguidos de alta bem importante. Ainda é uma taxa bem alta, até se a gente comparar com o PIB geral do Brasil", disse à Reuters a pesquisadora da equipe de macroeconomia do Cepea Nicole Rennó.

A pesquisa, realizada em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), mostrou ainda que a agroindústria continua se recuperando, com aumento de volumes, o que "estimula demanda por serviços, transporte e serviços financeiros", disse a pesquisadora.

A agroindústria sofreu no início do ano passado, especialmente aquela que depende mais do mercado interno, para iniciar uma recuperação posteriormente.

A previsão, realizada com base em dados do primeiro quadrimestre do ano, não leva em conta impactos da greve dos caminhoneiros realizada em maio, quando o transporte foi praticamente paralisado em boa parte do mês, afetando fortemente o setor.

Mesmo a tabela do frete rodoviário mínimo, instituída após a greve, é outro fator que pode liminar o agronegócio, que responde por mais de 40% de tudo que é transportado por rodovias.

"A gente imagina que isso vai ter um impacto no PIB que sentiremos mais para frente", disse a pesquisadora.

A expectativa, por ora, é de que o PIB do agronegócio estimado pelo Cepea, que inclui o setor primário e de indústrias antes (insumos) e depois da porteira, represente 21,2% da economia do Brasil.

Fonte: G1

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Reforma trabalhista: Os impactos das mudanças da lei para o empregador rural

Foto: Hyanne Patricia

No dia 12 de julho, a Associação Agropecuária e o Sindicato Rural de Guaratinguetá receberam o advogado e professor do Unisal Lorena, Dr. José Alberto Barbosa Junior, para a palestra "Reforma Trabalhista - impactos para o empregador rural". O encontro gratuito teve como objetivo atualizar os trabalhadores e produtores rurais sobre as mudanças nas leis trabalhistas e a implantação do sistema eSocial. 

A reforma, realizada em 2017, trouxe 117 mudanças que impactaram significativamente os empregadores. “Especificamente para o segmento rural, existem diversas mudanças que o empregador rural precisa adotar a partir de agora para começar a se prevenir de futuras ações trabalhistas, com alterações relacionadas a contratação, registro e horas extras dos empregados”, explicou Dr. José Alberto Barbosa.

Outro ponto tratado na palestra foi o sistema eSocial e suas exigências que, segundo o professor, devem ser seguidas corretamente para evitar problemas no negócio. “Nessa plataforma digital que o Governo Federal criou e que vai entrar em vigor a partir de janeiro de 2019, o produtor rural precisará passar todas as informações para o sistema, como número de empregados, nome, horário de entrada e saída, atestados médicos. Se ele não registra isso, começa a gerar multa e prejuízos no dia a dia do negócio”, destacou.

Para o advogado, é importante o empregador rural se adaptar à reforma trabalhista pois as mudanças são positivas e podem trazer economia na contratação de novos funcionários. “A reforma trouxe muito benefício para o empregador rural, pois essas novas normas trazem novas formas de contratação mais flexíveis. Se o empregador rural se atentar a essas mudanças, ele pode ter uma economia na contratação dos seus funcionários, porque ele pode administrar de um jeito diferente, ele pode começar a gerir seu negócio através de seus funcionários de uma forma mais econômica”, finalizou.

Confira a apresentação completa disponibilizada pelo Dr. José Alberto Barbosa neste link: http://blog.assopec.com.br/2018/07/na-ultima-quinta-feira-1207-associacao.html 

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Manutenção de pontes em áreas rurais de Guará

Foto: Divulgação

A Prefeitura de Guaratinguetá vem realizando nos últimos meses diversas melhorias em áreas rurais da cidade. Neste ano, a Secretaria da Agricultura já reformou 11 pontes, dentre elas no Bairro dos Lemes, Jararaca, Fogueteiro de Baixo e Taquaral. Agora os locais possuem mais segurança e tranquilidade aos moradores da região.

Além disso, no ano passado, as equipes realizaram o serviço de reforma em 18 pontes rurais, com reparos e trocas de madeiras, além de reforço no assoalho. Com isso, foram reconstruídas quatro pontes (Taquaral, Pompeo, Rio Acima e Mané Carioca). Todo o trabalho tem por objetivo de proporcionar um melhor trajeto para carros e pedestres que utilizam da travessia todos os dias.

Fonte: Prefeitura de Guaratinguetá

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

CATI reforça atendimento na região


Em julho, as Casas da Agricultura de Cunha e Lagoinha receberam dois novos reforços para o atendimento aos produtores rurais desses municípios. Após nomeação em Concurso Público, os engenheiros agrônomos César Gonçalves Afonso Frizo e Fabrício de Assis Monteiro Chaves vão auxiliar o trabalho já desenvolvido por Priscilla Menezes de Souza nas orientações técnicas individuais e desenvolvimento de projetos de assistência e extensão rural a grupos de agropecuaristas.

Os profissionais também prestarão apoio em programas e projetos de incentivo ao crédito rural e comercialização para agricultores familiares e pequenos e médios produtores.

Fonte: CATI Guaratinguetá

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

II Feira Agropecuária de Lorena e Piquete


O Sindicato Rural de Lorena e Piquete realizou, em julho, a II edição de sua Feira Agropecuária. Além de palestras técnicas, o evento contou com exposição de animais, máquinas e implementos agrícolas. 

Confira algumas fotos do encontro:







quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Programa Produtor de Água: Prefeitura instala 20 Fossas Sépticas Biodigestoras

Foto: Divulgação

A Secretaria de Agricultura de Guaratinguetá, por meio do Programa Produtor de Água, já instalou 20 Fossas Sépticas Biodigestoras, num total de 30 adquiridas com recurso próprio do projeto aos produtores rurais contemplados no Edital 01/2012. Além disso, foram realizados o plantio de mais de 60 mil mudas nativas na cidade.

Esta etapa do cronograma do Produtor de Água encerra a participação dos produtores que estão de acordo com o artigo 4º, parágrafo único do Decreto nº 8.343 de 04 de dezembro de 2017, juntamente com o último Pagamento por Serviços Ambientais, que está previsto para ocorrer no mês de setembro deste ano.

O custo de cada fossa séptica, materiais, tubos, conexões e a instalação no local saiu no valor de R$ 2.611,57 por produtor, totalizando assim R$ 78.347,10 de investimento em saneamento ambiental rural na Bacia do Ribeirão Guaratinguetá.

Foram realizados, ainda, o plantio de 65.645 mudas nativas em área de 78,32 ha na modalidade de Restauração Florestal com 40 nascentes recuperadas, 85 ha de área com construção de terraços e melhoria da fertilidade do solo na modalidade de Conservação do Solo e 143,15 ha de áreas conservadas com Matas Nativas Existentes.

Fonte: Prefeitura de Guaratinguetá

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Silagem de milho é tema de Dia de Campo em Cunha

Foto: Serramar

Produtores rurais de Cunha e região participaram, no dia 07 de julho, de um Dia de Campo sobre produção de silagem de milho, no Sítio Araucária, propriedade do cooperado Claudio Ártico.

O encontro, realizado pela Cooperativa de Laticínios Serramar, com o apoio da Associação Agropecuária, reuniu empresas de insumos e palestras técnicas para o segmento.

Os Engenheiros Agrônomos Bruno França Rebelo, da KWS Sementes, e João Batista Alves Silva, da Pioneer, e Thiago Chaves, da Cooperativa Serramar, ministraram palestras sobre a produção da silagem de milho. 

Já o Técnico Silvio, da JF Maquinas Agrícolas, realizou um treinamento sobre “Manutenção e regulagem de colhedeira JF”.

Confira mais fotos do encontro:





sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Cavalgada de Lagoinha


1º de julho foi dia da tradicional Cavalgada de Lagoinha, promovida pela Associação Agropecuária e Sindicato Rural de Guaratinguetá, por meio do convênio com a FAESP/SENAR. 150 cavaleiros e amazonas percorreram o trajeto do evento, desde a entrada da cidade até o bairro do Paraitinga.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

ARROZ/CEPEA: DEMANDA AQUECIDA E BAIXA OFERTA ELEVAM PREÇO EM JULHO

Foto: Divulgação

Cepea, 01/08/2018:

Com indústrias presentes no mercado de arroz em casca no Rio Grande do Sul e orizicultores vendendo lotes apenas com necessidade de “fazer caixa”, ou direcionando para a exportação, o preço médio do arroz subiu em julho, conforme indicam dados do Cepea. De 29 de junho a 31 de julho, o Indicador ESALQ/SENAR-RS, 58% de grãos inteiros registrou elevação de 6,56%, fechando a R$ 43,36/sc de 50 kg no dia 31. Apesar das queixas quanto à dificuldade de repasse das altas do casca ao fardo e do enfraquecimento no ritmo de vendas ao setores varejistas e atacadista dos grandes centros em julho, várias indústrias buscaram lotes de arroz depositado e arroz “livre” (depositado nas propriedades rurais) para repor seus estoques. Para isso, beneficiadoras, tanto do RS como de SP, MG e GO, aumentaram suas ofertas para efetivarem negócios.  

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Declaração do ITR começa neste mês

Foto: Thiago Leon

Está previsto para começar neste mês de agosto o período de declaração do ITR (Imposto Territorial Rural), referente ao exercício de 2018. Fique atento, pois a data e as regras para este ano devem ser divulgadas nos próximos dias pela Receita Federal.

Como acontece todos os anos, o prazo final deve seguir até o fim de setembro. O processo deve ser elaborado pelo Programa Gerador da Declaração do ITR (ITR2018), disponibilizado no site da Receita Federal. 

É obrigado a declarar o proprietário, titular do domínio útil ou possuidor a qualquer título, inclusive a usufrutuária, de imóvel rural, sendo uma declaração para cada imóvel que pertencer ao contribuinte. 

Em 2017, o valor do ITR pôde ser pago em até quatro quotas iguais mensais, sendo que nenhuma parcela podia ser inferior a R$50. Valores inferiores a R$100, tinham que ser pagos em quota única. A declaração após o prazo está sujeita a multa, calculada sobre o total do imposto devido.

Para requisitar o auxílio no preenchimento do ITR, basta o associado agendar o atendimento pelo telefone (12) 3132-4400.