sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Sistema de manejo de pasto inovador é tema de palestra

Foto: Hyanne Patricia

Técnicos e produtores de leite da região participaram, no dia 18 de setembro, no Sindicato Rural de Guaratinguetá, de uma palestra gratuita sobre manejo de pasto para gado leiteiro, ministrada pelo engenheiro agrônomo PhD, pesquisador e consultor da Transpondo - Pesquisa, Treinamento e Consultoria, Dr. Wagner Beskow. 

No encontro, os participantes aprenderam sobre o “SIPS – Sistema Intensivo a Pasto com Suplementação”, um método de manejo de pasto inovador que visa custos baixos e alta produtividade.

Confira o artigo enviado pelo Dr. Wagner Beskow após a palestra neste link: 

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Sistema Intensivo a Pasto com Suplementação

Foto: Hyanne Patricia / Dr. Wagner Beskow durante palestra sobre o SIPS na sede do Sindicato Rural de Guaratinguetá

O SIPS – Sistema Intensivo a Pasto com Suplementação, é um sistema de manejo que se originou da necessidade de conseguirmos, de alguma maneira, fazer com que o produtor de leite obtivesse uma maior rentabilidade na atividade leiteira, preservando ou minimizando seu esforço, sua mão de obra, não se contentando com baixa produtividade por vaca (o que normalmente caracteriza sistemas que dependem do pasto), desmitificando aquela ideia do pasto como bandeira político ideológica e, sim, o pasto dentro de uma visão moderna de uso de tecnologia e de recursos que sejam viáveis ao produtor.

A cadeia leiteira mundial vive um contexto de desafios e a nossa não é exceção, com vários produtores saindo da atividade, mas isso pode ser visto de forma positiva, porque é uma seleção para produtores mais profissionais, um caminho natural e necessário na atividade leiteira.

Para atingir o objetivo desse sistema: alta ingestão de pasto, pasto como alimento de altíssima qualidade quando bem manejado e bem fertilizado. Mas reconhecendo que aqui na região somente o uso do pasto leva a uma produção de até 12 litros de leite por vaca, sendo necessário o uso do concentrado, com a ração.

É preciso desmitificar que o uso da ração, que o produtor erroneamente acha que é o vilão da atividade leiteira, mostrando que o vilão é a baixa qualidade do volumoso, inclusive pasto. Então, na medida que temos um volumoso de alta qualidade, com alta digestibilidade, energia e proteína, é possível reduzir o uso da ração por litro de leite, saindo de 3 litros de leite por quilo de ração para até 4,5 litros, excepcionalmente em alguns momentos, 4,8 litros de leite por quilo de ração para vacas de alta produção. Nesse sistema, nós visamos 25 litros numa Girolando em região tropical e de 28 litros a 34 litros numa Holandesa em momentos sem estresse por calor.

O grande fator que tem feito com que se destruam propriedades, em solo e renda das pessoas, é a falta de planejamento, falta de produção de volumoso para períodos secos, obrigando que os animais rapem as pastagens. Quando temos esse suplemento guardado, e por suplemento nos referimos a tudo que é dado no cocho, conseguimos manter a cobertura vegetal a não menos que 28% do ponto de entrada, é o resíduo remanescente mínimo que recomendamos. Mantendo isso não temos compactação de solo e temos preservação da reserva da planta para reprota, tanto de carboidratos como de folhas. 

Nesses aspectos de manejo, chamamos atenção para a entrada no pasto com as folhas dobrando lá em cima, não retas e não excessivamente dobradas para baixo (com os anos percebemos essa correlação com a altura). Se nos mantivermos nisso aí e utilizarmos o volumoso conservado como a silagem para aliviar as pastagens quando falta pasto, abrir espaço no rumi, diminuindo silagem fornecida para vaca para que aumente o consumo, conseguimos manter a pastagem sempre dentro desses limites, jamais encanada ou rapada.

O produto da pastagem é a lâmina folhear verde. É a folha, e nunca a cana, a semente, a flor. Então, quando vemos pasto excessivamente grandes e encanados, temos que saber que está perdendo dinheiro, a vaca não está conseguindo colher e está tendo grande perda de produção, desempenho animal e produtividade de pasto ao longo do ciclo também.

Tudo isso foi tratado (na palestra) dentro de um contexto de desafio internacional, da necessidade de sermos competitivos, da importância de não haver uma dependência nem expectativa de governo que faça milagre dentro da cadeia leiteira.

Esse SIPS permite custos mais baixos que a Nova Zelândia, com margens muito maiores, é o motivo pelo qual ele tem dado certo e em todo o Brasil tem ajudado famílias a aumentarem significativamente sua renda, superando 7 mil reais de lucro por hectare/ano e não há motivo nenhum para que o Vale do Paraíba fique para trás. Muito pelo contrário, já liderou a história do leite no Brasil, tem todas as condições naturais para isso, e fiquei muito entusiasmado com o nível de conhecimento dos participantes e o grau de interesse.

Dr. Wagner Beskow

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Operação Campo Limpo em Guaratinguetá

Foto: Hyanne Patricia

Amanhã, 17/10, produtores rurais de Guaratinguetá devem devolver embalagens vazias de defensivos agrícolas, durante a “Operação Campo Limpo”. A ação será realizada das 9h às 16h, na sede da Secretaria de Agricultura, na Rua Alberto Barbeta, número 1400, no bairro Jardim Coelho Neto.

Lembre-se: para efetuar a entrega, é preciso apresentar CNPJ, Inscrição Estadual, nome completo e endereço da propriedade. Além disso, as embalagens devem estar vazias, perfuradas e, no caso de produtos líquidos, passar pela tríplice lavagem.

A Operação Campo Limpo é promovida pela Associação Agropecuária e a Cooperativa de Laticínios Serramar, com o apoio do InPev e prefeituras das cidades participantes.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Lagoinha recebe Operação Campo Limpo

Foto: Wilson Silvaston

Amanhã, 16/10, Lagoinha recebe a Operação Campo Limpo, promovida pela Associação Agropecuária e a Cooperativa de Laticínios Serramar, com o apoio do InPev e prefeitura da cidade.

Os produtores devem devolver as embalagens vazias de defensivos agrícolas no Recinto de Exposições “Benedito Viriato de Campos”. 

Para efetuar a entrega, é preciso apresentar CNPJ, Inscrição Estadual, nome completo e endereço da propriedade. Além disso, as embalagens devem estar vazias, perfuradas e, no caso de produtos líquidos, passar pela tríplice lavagem.

domingo, 14 de outubro de 2018

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Novo plano de saúde oferece desconto de 40%

Presidentes das entidades da região assinam convênio com S.P.A Saúde

No dia 4 de setembro, em Taubaté, foi assinado o convênio S.P.A. Saúde Regional, entre cooperativas, associações e sindicatos de produtores rurais das cidades de Guaratinguetá, Taubaté, Pindamonhangaba, Lorena e Cruzeiro.

Trata-se de um plano que vai oferecer aos associados assistência médica, hospitalar e cirúrgica com obstetrícia, maternidade, serviços auxiliares de diagnose e terapia, nutrição, fonoaudiologia, psicologia, remoção terrestre inter hospitalar, descontos em medicamentos e serviço de assistência ao beneficiário. Todo o atendimento será feito por hospitais, clínicas, laboratórios e médicos das cinco cidades. A acomodação, em caso de internação hospitalar, é em apartamento.

Na assinatura do convênio, houve um resgate do processo de criação do plano, que levou meses de estudos, avaliações até a obtenção da aprovação da Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, para que, em parceria com o S.P.A. Saúde, fosse possível criar uma nova alternativa de atendimento médico e hospitalar para nossos associados a um preço diferenciado: 40% menor que os demais planos oferecidos.

Presidente da Associação Agropecuária de Guaratinguetá, Thiago Augusto Roque Chaves, considerou a iniciativa muito positiva. “O convênio traz a chance de atender as necessidades de atendimento médico-hospitalar de produtores rurais da região com um recurso de qualidade e com preços mais acessíveis”, disse.

Proteja sua saúde e a de sua família
As inscrições já estão abertas aos associados, que podem também levar o benefício para vários familiares: esposa ou companheira, marido ou companheiro, filhos naturais ou adotivos, enteados, menor sob guarda, pai, mãe, avós, bisavós, irmãos, netos, bisnetos, sobrinhos, tios, dependente incapaz que o titular seja tutor ou curador, cunhados, genros, noras, e outros familiares. 

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Aniversário da Associação



Hoje, dia 10 de outubro, é dia de festa para a Associação Agropecuária de Guaratinguetá! A entidade completa 82 anos de existência em prol do homem do campo!

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

LeiteShow 2018

Guará recebe mais uma vez a grande exposição de gado de leite do Brasil

Foto: Divulgação

O Recinto de Exposições de Guaratinguetá irá receber, entre os dias 24 e 27 de outubro, os melhores animais das raças Jersey, Girolando e Holandês durante a LeiteShow 2018. A exposição será palco da última etapa do Circuito Nacional da Raça Holandêsa, etapa do Circuito Nacional da Raça Jersey e Circuito MegaLeite Etapa Sul/Sudeste da Raça Girolando – GIROVALE (Núcleo dos Criadores de Girolando do Vale do Paraíba), com o Julgamento da Raça Girolando 1/2 Sangue, 3/4 e 5/8.

Foto: Wilson Silvaston / LeiteShow 2017

Além dos julgamentos, o evento irá contar com torneio leiteiro, palestras ministradas por profissionais nacionais e internacionais no segmento de gado de leite, feira agropecuária com produtos e equipamentos e mostra de gado da raça Gir P.O.

A Associação Agropecuária e o Sindicato Rural de Guaratinguetá são apoiadores da LeiteShow 2018. Confira a programação e mais informações em: leiteshow.com.br. 


Produtor de leite da região se destaca em premiações

Marcos Paiva é um dos participantes da LeiteShow2018


Foto: Wilson Silvaston


Com prêmios na Megaleite 2017, em Belo Horizonte, e na LeiteShow 2017, em Guaratinguetá, o produtor de leite de Lavrinhas, Marcos Paiva, se prepara para participar da LeiteShow 2018, que será realizada em outubro, no Recinto de Exposições de Guaratinguetá. Dentre os 60 animais Girolando que o produtor possui, 14 irão competir em diversas categorias, entre elas sua nova promessa, a bezerra Hagata Fiv Doorman MjP.

“Essa bezerra já vem sendo premiada em várias exposições e irá para a LeiteShow concorrer com as melhores do Brasil. Então este ano a expectativa é grande, temos certeza que será de novo um grande sucesso”, diz. 

Foto: Arquivo pessoal / Megaleite 2017

Na LeiteShow do ano passado, os animais de Marcos alcançaram bons resultados, inclusive o prêmio de campeã suprema. “Fizemos três campeãs de categorias, e com o animal Fila Solomon COC, ganhamos como a melhor fêmea jovem Girolando 3/4 e a suprema jovem das raças”, comemora.

Cerca de 700 litros de leite são produzidos, por dia, na propriedade da família. A boa produção somada aos importantes prêmios, colocam Marcos como um produtor de destaque na região. Para ele, isso se deve aos métodos aplicados na fazenda. “Hoje trabalhamos com acasalamento dirigido e embriões em processo de FIV. Temos também grandes doadoras que nos proporcionam fazer um grande banco genético, mais uma boa dieta alimentar, todos estes pontos ajudam a produzir animais de alta qualidade, com rusticidade e muito leite”, destaca.

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Encontro reúne Sindicatos da região


Presidentes e representantes dos Sindicatos Rurais do Vale do Paraíba e Alto Tietê se reuniram, em 28 de setembro, na Sede do Sindicato Rural de Guaratinguetá, em um encontro promovido pela Faesp/Senar, para debater sobre projetos futuros e destinação de recursos da entidade.

Na ocasião, foi anunciado o retorno do Sebrae como parceiro nos cursos oferecidos pelo convênio, além da discussão sobre o novo PAT (Plano Anual de Trabalho), para definição das diretrizes de um possível aumento no repasse aos sindicatos.

“Tivemos uma queda com a questão da arrecadação sindical e por isso precisamos buscar formas de compensar esse recurso. Esse ponto seria uma forma de compensar a arrecadação sindical”, disse o presidente do Sindicato Rural de Guaratinguetá, Fábio Públio.

Públio destacou também a importância dos produtores continuarem a fazer o recolhimento sindical. “Precisamos divulgar, para que isso venha despertar no produtor o senso de participação em grupo e a importância que ele continue participando do recolhimento sindical, pois isso vem alimentar o sistema S, no qual o Senar participa, e o recurso volta através de cursos e investimento no setor.”

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Operação Campo Limpo continua na região

Foto: Hyanne Patricia

No mês de outubro, é a vez dos produtores rurais de Lagoinha e Guaratinguetá devolverem as embalagens vazias de defensivos agrícolas, durante a “Operação Campo Limpo”. As ações são promovidas pela Associação Agropecuária e a Cooperativa de Laticínios Serramar, com o apoio do InPev e prefeituras de Guaratinguetá e Lagoinha.

A operação em Lagoinha será no dia 16, no Recinto de Exposições “Benedito Viriato de Campos”. Em Guaratinguetá, a coleta será no dia 17 de outubro, das 9h às 16h, na sede da Secretaria de Agricultura, na rua Alberto Barbeta 1400, no bairro Jardim Coelho Neto. 

Lembre-se: para efetuar a entrega, é preciso apresentar CNPJ, Inscrição Estadual, nome completo e endereço da propriedade. Além disso, as embalagens devem estar vazias, perfuradas e, no caso de produtos líquidos, passar pela tríplice lavagem.

Gedave monitora cadeia de agroquímicos

Controle será feito pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) e produtores devem se cadastrar no sistema

Foto: Hyanne Patricia

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo implantou, neste ano, o monitoramento de toda a cadeia de agroquímicos e afins, por meio do Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave). O controle será executado pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) da secretaria, em todo o estado de São Paulo, para impedir o comércio e o uso de produtos ilegais, que podem causar danos ao meio ambiente e a quem aplica.

“Com o sistema Gedave teremos uma forma segura de rastreabilidade dos agrotóxicos comercializados dentro do estado e poderemos direcionar as ações públicas para as regiões de maior demanda de atividade de educação sanitária e fiscalização do comércio e uso de agrotóxicos”, destaca Márcio Lima, assistente de planejamento Escritório de Defesa Agropecuária de Guaratinguetá.

A fiscalização será baseada nas legislações Federais vigentes e, de acordo com Márcio, será individualizada para comércio, propriedade e cultura. “Com o sistema em funcionamento, teremos uma informação de quais culturas são produzidas na região e qual a demanda de agrotóxicos da área fiscalizada”.

Segundo Lima, o cronograma inicial para implantação de todos os cadastros é até 31 de dezembro de 2018. Com a obrigatoriedade do sistema, “todos os atores envolvidos na comercialização de agrotóxicos (indústria, comércio, prestador de serviço na aplicação, usuário (produtor rural) e as Unidades de Recebimento de Embalagens (UREV)) serão obrigadas a terem um cadastro ativo junto ao Gedave para conseguir realizar a compra, utilização e devolução de embalagens de agrotóxicos”.

Obrigações do produtor
De acordo com a legislação, o produtor rural tem como responsabilidade o uso seguro e correto dos agrotóxicos, que inclui a aquisição, armazenamento, aplicação e devolução das embalagens vazias. “Ele terá que cadastrar as propriedades individualmente e informar quais os produtos cultivados na propriedade”, explica Márcio.

O agropecuarista só conseguirá comprar os defensivos agrícolas após ter cadastro ativo junto ao Gedave. Após cada compra, será necessário declarar no sistema o uso do produto e devolver as embalagens vazias e sobras do produto, conforme recomendação do fabricante.

Para o produtor que já tem cadastro no Gedave na vertente animal, basta informar, através de um formulário próprio, as culturas que possui na propriedade. Caso o produtor não possua cadastro no sistema, terá que apresentar os seguintes documentos: 
  • Requerimento preenchido e assinado;
  • RG (original e cópia); 
  • CPF (original e cópia); 
  • Comprovante de endereço da residência-endereço de correspondência (original e cópia); 
  • Comprovante de endereço da propriedade rural (original e cópia); 
  • INCRA/ITR ou contrato de arrendamento (original e cópia); 
  • Cópia da declaração cadastral (DECA), caso tenha nota fiscal; 
  • Ficha de Cadastro da propriedade e atividades produtivas (FRM.AGROTOX - 02).

O passo a passo do cadastramento se encontra no site www.defesa.agricultura.sp.gov.br, na aba Serviços. Os associados que tiverem dúvidas em relação ao processo podem solicitar mais informações em nossos escritórios.